Postado em Relatos de Partos !!

Indução – Entenda mais sobre esse processo.

23 de março de 2013 - 2:59

Decidi fazer este post após acompanhar muitas induções, algumas bem feitas (com paciência) e outras nem tanto. As feitas com paciência do médico, equipe e do casal, na maioria das vezes funcionam e resultam em um parto normal. Por isso, sempre que for necessário interromper a gestação, se indução for uma possibilidade (por ex: pré-eclâmpsia, diabetes gestacional etc) deve ser a primeira opção.  Indução é a maneira farmacológica de adiantar um parto, onde são usadas geralmente duas medicações : misoprostol e ocitocina. Nem sempre será necessário usar as duas medicações, tudo isso depende de como está o colo do útero.

Abaixo segue um post retirado do site Midwife Thinking 

 – Na minha velha versão de 1997  do ” Dicionário de parteira”,  ‘indução’ é um método que desencadeia o trabalho de parto “, ou seja, alguém faz o trabalho de parto ocorrer, em vez de permitir que o bebê / corpo  inicie esse processo sozinho e naturalmente. O dicionário continua  ‘isto pode ser realizado quando a vida ou a saúde da mãe ou do feto está em perigo se a gravidez continua. “É claro que esta afirmação é aberta à interpretação e induções muitos não são” indicação médica “.

Existem algumas coisas que você precisa saber antes de escolher uma indução:

– Os riscos envolvidos na continuidade da gravidez são maiores do que os riscos envolvidos na indução (risco é um conceito muito pessoal).

– Você está comprometido a ter esse bebê. Uma vez que você começar, você não pode voltar atrás e uma cesariana é recomendado para uma “indução fracassada”.

– Você não está tendo um parto fisiológico. Você interviu e essa intervenção cria riscos que exigem mais vigilância e intervenção. Não há nascimento “natural” em parto induzido – parto vaginal talvez, mas não fisiológica.

Existem três etapas para o processo de indução. Você pode pular algumas das etapas ao longo do caminho, mas você deve estar preparado para comprar todo o pacote quando você embarcar em indução.

Nota: Se a bolsa rompeu  naturalmente, em vez de indução, é usado para dar progressão ao trabalho de parto. Isto porque assume-se que o seu corpo já começou o processo de trabalho de parto em si.

Passo 1: Preparando o Colo


h             

Durante a gravidez o colo do útero está fechado, grosso, isso significa que você pode ter contrações sem a abertura do colo uterino. Para que o colo do útero responda às contrações  precisa para fazer uma série de mudanças fisiológicas ( Coad 2011 ). Relaxina e estrogênio iniciam estas mudanças estruturais, e  prostaglandinas, leucócitos, macrófagos, ácido hialurônico e glycoaminoglycans estão todos envolvidos na amolecimento do colo do útero para prepara-lo para o trabalho de parto. Você não precisa se lembrar de todo este material científico, tudo o que você precisa saber é que é um processo complexo e as prostaglandinas são apenas uma peça do quebra-cabeça.

Quando o parto está sendo induzido o colo do útero vai ser avaliado por exame vaginal. Se o colo do útero já mudou, está fino e aberto o suficiente  você pode pular direto para a etapa 2. Se o colo do útero ainda está grosso e fechado, serão feitas tentativas de mudá-lo para que o passo 2 seja possível. Isto é,  geralmente é colocado prostaglandinas artificiais ( misoprostol ) no colo do útero, sob a forma de comprimido. Prostaglandinas artificiais pode causar hiperestimulação do útero, resultando em sofrimento fetal, pois a frequencia cardiaca do bebê será monitorado por um cardiotocografia após a administração da prostaglandina.

 Se existem contra indicações para a prostaglandina (por exemplo, cesaria prévia) seu obstetra pode sugerir outras formas para amolecer o colo  como sonda de foley, isto é feita através da inserção de um cateter no interior do colo do útero e enchendo-a com água ou seja, você tem basicamente um balão de água em seu colo. Super “confortável”!

Concluir com sucesso a  primeira etapa pode demorar algumas tentativas com a reinserção de prostaglandinas. Isso pode levar horas ou dias, porque você tem que esperar horas antes de re-avaliação e re-inserção. Você pode responder a rapidamente a prostaglandina, no entanto, você ainda está tendo um parto induzido e geralmente será tratado como “alto risco”.

Passo 2: Rompimento da bolsa amniótica

Eu percebo que este passo não é sempre parte de induções em alguns países como EUA, mas eu nunca experimentei esta abordagem, então vai ficar com o que eu sei … Uma vez que o colo uterino afinou e abriu o suficiente para obter uma amnioátomo, a bolsa amniótica será rompida. Isso é, permite contrações induzidas a serem mais eficaz, a cabeça do bebê  pressiona mais o colo do útero e pode provocar contrações evitando passo 3. Também me ensinaram que reduz o risco de uma embolia amniótica (líquido amniótico de entrar no sistema de sangue), mas não há uma boa pesquisa que apoia esse tese. Existem riscos associados com rompimento artificialmente da bolsa . Uma vez que a bolsa foi rompida, você pode esperar algumas horas para ver se começa de trabalho ( o numero de horas depende da prática hospitalar) ou ir direto para a etapa 3.

Passo 3: Fazendo contrações

Agora você tem um colo do útero pronto para responder às contrações e com pouco  liquido amniótico no caminho – ao lado você precisa contrações. Em um trabalho de parto fisiológico, natural, a ocitocina é libertada do cérebro e entra na corrente sanguínea – tem duas funções principais:

– A ocitocina funciona sobre o útero para regular as contrações
–  Ela trabalha no cérebro para contribuir para o estado alterado de consciência associada ao trabalho de parto e promove sentimentos de união e comportamento.

Em um trabalho de parto induzido, a ocitocina é artificial (pitocina / sintocinona) é dada por meio de uma cânula diretamente para a corrente sanguínea. Ele não é capaz de atravessar a barreira sanguínea do cérebro, portanto, funciona apenas para o útero regular as contrações( sem os sentimentos de união e sem o efeito anestesico),escrevi sobre mais sobre isso nesse post Indução : equilibrando os riscos.

Basicamente, pode ser uma coisa muito desagradável  porque o bebê  será acompanhada de perto usando um CTG. As mulheres geralmente descrevem contrações artificialmente estimulada como diferente e mais dolorosas do que as contrações naturais. Obstetras argumentará que a fisiologia de uma contração permanece a mesma, quer seja iniciada pela ocitocina natural ou artificial – o que é verdade. No entanto, durante um padrão de indução de trabalho de parto  e a intensidade de contração aumenta rapidamente comparado com trabalhos mais naturais. As mulheres não são capazes de construir lentamente suas endorfinas e ocitocina para reduzir a percepção da dor. Além disso, as condições ambientais e que muitas vezes rodeia uma indução (equipamento de intervenção, etc) pode resultar em ansiedade, aumento da percepção da dor.

Uma vez que seu bebê nasce você  ainda continuará usando a ocitocina artificial para o nascimento da placenta. Um parto fisiológico placentária não é seguro, porque você não está produzindo a sua própria ocitocina natural  no nível requerido. Basicamente medicina retomou e deve terminar o trabalho.

Em Resumo

Indução do trabalho envolve a realização de seu corpo / bebê fazer algo que ainda não está pronto para fazer. Antes de concordar em ser induzida, esteja preparada para o pacote inteiro: todos os passos. Você pode ter a sorte de pular uma ou outra etapa, mas uma vez que você iniciou o processo de indução farão o que for possível para o bebê nascer ( preciso escrever um post sobre intervenções)  porque ao concordar em provocar que ainda é cedo sob a premissa que você ou seu bebê estão em perigo se a gravidez continua. Um trabalho de parto induzido não é um trabalho de parto fisiológico e você e seu bebê será tratado como “alto risco” – porque você é

Fonte: http://midwifethinking.com/2011/07/17/induction-a-step-by-step-guide/
 

Deixar comentário

%d blogueiros gostam disto: