10538582_728061180565805_2170944407909983222_n

Já abordei esse tema algumas vezes aqui no blog, mas vale a pena reforçar. Então qual a diferença entre um parto humanizado, um parto tradicional e uma cesárea?

Qual a melhor opção?

Segundo estudos e a Organização mundial da saúde, o parto natural é a melhor maneira de uma mulher dar a luz a um filho e a maneira mais saudável para um bebê nascer, na grande maioria dos casos.

O parto humanizado é o parto que tem como foco o protagonismo da mulher, o respeito ao processo fisiológico, o respeito as escolhas da família e o respeito ao bebê que está nascendo. O parto pode ser natural ou com intervenções (sempre necessárias) que incluem  a analgesia quando solicitada pela parturiente.  O parto pode ser realizado em ambiente hospitalar, um uma casa de parto ou em casa, sempre com profissionais capacitados para atender e lidar com emergências.

Parto vaginal, normal, tradicional resume que o bebê nasceu por via baixa, vaginalmente.
É o parto que muitas mulheres tem como referência quando falamos em parir. É o parto que traumatiza, é o parto que serve de grande exemplo sobre o que é a violência obstétrica. É o procedimento comum no SUS e muitas maternidades particulares. Geralmente com várias intervenções, o sorinho logo na internação com ocitocina (hormônio que aumenta a força e duração das contrações) para acelerar o parto. A parturiente na maioria das vezes é proibida de ingerir alimentos e até mesmo água, recorrendo a beber água da torneira e chuveiros (já presenciei isso). Faz força dirigida sem sentir a vontade de empurrar, sempre em posição de litotomia (deitada) com as pernas em estribos. Recebe ”ajuda” de uma outra pessoa para fazer força, onde empurram sua barriga e seu bebê (manobra de kristeller), e o pique, o corte que ”ajuda” o bebê a nascer (episiotomia). O bebê vai imediatamente para o berço aquecido onde é esfregado com um pano, tem suas vias aéreas aspiradas de rotina, e passa por todos os procedimentos nos seus primeiros minutos de vida. A puérpera é suturada (episiorrafia) e fica com vários pontos internos e externos. A recuperação geralmente é dolorosa e lenta.

Cesárea –  Procedimento cirúrgico criado para salvar a vida da mãe ou do bebê quando um ou ambos estão em risco.
Atualmente é realizada de rotina. É muito mais arriscada do que um parto natural (3 vezes mais) pois aumenta o risco de infecções, prematuridade fetal, hemorragia, trombose, entre outros. Não deveria ser feita sem real indicação, porém o Brasil é o país com a maior porcentagem de cesáreas no mundo. A gestante entra na sala de cirurgia sem o seu acompanhante, é anestesiada, e quando a cirurgia finalmente começa o acompanhante tem a permissão para entrar (dependendo do hospital ou da equipe médica). Após o nascimento do bebê, ele é levado direto para o berço aquecido, onde será limpo, aspirado e receberá os procedimentos de rotina. Geralmente a amamentação é tardia, assim como o contato com a mãe.

Agora com os tipos de partos e procedimentos explicados, qual você acha que é o mais natural? Em qual as mulheres estão mais confortáveis? Em qual os bebês são bem recebidos e respeitados? Qual experiência VOCÊ quer passar?

Até quando as mulheres irão aceitar, 
deitadas, e dominadas, 
trazer seus filhos ao mundo, 
sendo mutiladas, e desrespeitadas? 

Texto por  Cristina Melo – Vídeos do Youtube
Trecho final retirado do site: http://www.partonobrasil.com.br/2013/02/multimidia-parto-no-brasil-dois-partos.html?spref=fb


2 comentários

Juh Guimarães · 18 de fevereiro de 2013 às 13:37

e chorei vendo o parto do leonardo!
lindo os dois videos!!

e cris, nao tive coragem de ver o parto normal..comecei a ver mas não quis continuar… :\

nem o da cesaria kkkkkkkkkkk
realmente, só se for necessario e espero que nao seja pra mim, ai q tenso!

beijoossss

A Diferença Entre os Tipos de Partos (Com Vídeos) | Bibliografia da Doula · 16 de março de 2013 às 13:34

[…] *Fonte: Cris Doula Compartilhe isso:TwitterFacebookCurtir isso:Curtir Carregando… Tags: Cesariana, Episiotomia, […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *