Com 40 semanas e 3 dias, estávamos passando um domingo como qualquer outro, até porque a data provável do parto já havia passado, e com ela a angustia. Eu estava cada dia mais tranquila, com a certeza de que se aproximava mais do momento mais esperado dos últimos anos das nossas vidas.

Almoçamos na casa dos meus pais, chegamos a tarde em casa, tomei banho e  fui ver um pouco de tv, por volta das 17:30 h tive a primeira contração,  como nesta hora saiu uma quantidade de líquido e um sangramento rosado junto, olhei para o Marcel e falei: “chegou a hora”. Naquele momento nos olhamos e demos um sorriso que nunca vou esquecer, estava começando a aventura mais emocionante das nossas vidas. Pegamos papel e caneta e começamos anotar os intervalos.

As 19 horas fiz a primeira ligação pra Cris, as contrações estavam mais próximas e queria avisa-la que ela teria um bebe pra hoje. Bom, a Cris entrou nas nossas vidas na primeira consulta de pré-natal que tive com o Dr. Fernando Pupin, ele nos falou sobre o trabalho dela e a importância de ter uma pessoa do nosso lado apoiando e tirando dúvidas (que Deus nos livre como temos né meninas??!!). Passei a gestação acompanhando o seu site e o seu trabalho. Quando estava com 38 semanas entrei em contato com ela e marcamos uma consulta, ela veio até minha casa, conversamos e decidi que ela estaria presente no meu parto.

Às 20:15 horas mais ou menos tive uma contração muito mais forte do que as que estava tendo e intervalo de 10/10min, falei pro Marcel: “Vamos pra maternidade agora!” Ele mandou uma mensagem pra Cris me dedurando (rs) e ela disse pra ele me segurar que ela estava chegando. Eu me preparei muito, li muito, mas sem a Cris não teria conseguido, eu precisava dela naquele momento e o Marcel sentiu que deveria chama-la.

Junto com a Cris chegaram minha mãe e minha irmã (Alessandra), que estavam nas suas casas doidinhas pra vir ficar comigo, mas como eu não sabia como ia evoluir, pedi que elas aguardassem o meu sinal, e quando pedi que viessem, elas vieram.

Em alguns minutos todas chegaram, ficamos conversando, relaxando, fazendo alguns movimentos na bola suíça dentro do chuveiro, massagem, e entre isso tudo sentindo as contrações. Tive o meu momento de dor agora com calma e sabendo exatamente o que queria e o que ia acontecer. Dói, é verdade, mas é uma dor suportável.

Às 22:20 horas a Cris decidiu que era hora de irmos pra maternidade, na ida tive 4 contrações no carro (em 10 minutos de “viagem”) o balanço do carro e a estrada que fazem isso.

Chegamos no Ilha, a banheira estava desocupada, era todinha nossa!!  A Cris já havia  ligado pro Dr. Fernando e logo logo ele chegou falando: “Posso participar dessa festa?!” .

(Na verdade só faltava ele, estávamos todos presentes  quase prontos pro grande momento)

Falando em todos presentes, a sala estava cheia e a culpa era toda minha, eu explico: minha mãe teve 5 filhos de parto natural, sabe quantos partos ela assistiu? Nenhum. Meu pai passou todos os 5 partos dela ao seu lado segurando a sua mão, no tempo que as mulheres tinham os bebes deitadas (a propósito que dor insuportável quando a contração vem e estamos deitadas) e os maridos quando podiam “acompanhar” o parto no fim não viam nada. E resumindo eu queria que todos vissem e que todos soubessem que isso é natural, isso é o curso normal das coisas, parto humanizado existe sim, a mulher escolhendo o que fazer: existe sim! E aconteceu com alguém da família deles.

Na verdade se eu pudesse todas as pessoas que durante a minha gravidez falaram que eu era louca de pensar em parto humanizado deveriam estar dentro daquela sala sob a luz de velas, tocando a música que eu escolhi, eu parindo na posição e onde eu escolhi, e um silêncio gigante que se rompeu quando a Manuela nasceu!

Pedi analgesia qdo estava com dilatação de 9cm e em pouco tempo, algumas vezes que empurrei meu bebe mergulhou na banheira e a Cris entregou-a nos meus braços, daí pra frente foi emoção pura.

Manuela nasceu perfeita com apgar de 9/9, 3290 Kg, 49 cm, mamou um tempão assim que foi colocada no meu peito.

Agradeço a Deus pelo bebe lindo e perfeito (vou fazer de tudo para ser merecedora dessa jóia) o amor do meu marido, que desde do dia do beta positivo me apoiou em TUDO, o apoio da minha família, o carinho e profissionalismo da Cris e do Dr. Fernando: TODOS PARIMOS JUNTOS.

E que venha o próximo!!

Letícia Taís Pereira 


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *