970919_450916725038940_2055437119_n

Eu sempre achei que seria mãe de menino, acho que todos da família pensavam assim. Somos uma família de muitas mulheres, eu com esse meu jeito prático de ver as coisas, só podia ser mãe de menino mesmo!!

Com 14 anos conheci o Saulo, que primeiro se tornou um grande amigo e depois virou o grande amor da minha vida, meu companheiro, meu marido.

Acho que o Antônio nasceu ali na verdade! Sempre esteve em nossos sonhos, conversas, planos, e esses foram muitoooos, imaginem: 7anos de namoro, 1de noivado e 5 de casamento até resolvemos enfim encomendar nosso tão sonhado bebê!!

É claro que como todos os pais “politicamente corretos” estávamos prontos para amar nosso futuro bebê, mas no fundo da alma, ansiávamos pelo nosso menino, nosso Antônio.

Essa espera foi realmente muuuuito ansiada, 9 meses de muitas tentativas até que em maio de 2013 enfim veio o nosso resultado positivo nos “palitinhos”.

Sim, o exame de sangue confirmou, eu estava grávida!!agora era montar a surpresa pra contar pro papai.

Preparei tudo enquanto ele estava no trabalho, era um sábado e ele chegaria a tarde. Enchi as árvores da rua de balões azuis e rosas até a entrada do nosso portão e na sala mais balões e um grande escrito ” estamos grávidos”!!

Bom, meu marido é policial, e caso a parte é desconfiado de tudo. Diz ele que policial que não desconfia de tudo não descobre nada!!

Pois bem, não sei o que passava naquela cabecinha no momento, sei que vi o carro chegando, ele descendo pra abrir o portão e vindo pra casa com uma cara estranha, até ali o policial não tinha desconfiado de nada, pelo menos nem passou perto kkkk.

Ele só entendeu a rua decorada com balões quando entrou em casa e viu o recado “estamos grávidos”, a emoção rolou, era nosso tão aguardado filho que estava chegando. Foi indescritível ver os olhos emocionados, em lágrimas, do meu marido.

A escolha dos profissionais que nos acompanhariam foi muito tranquila, algumas amigas já tinham parido com o Fernando Pupim e super me indicaram. Eu na verdade fui nos 3 GOs mais conceituados na área da humanização, mas quando eu e marido fomos ao Pupim, foi amor a primeira consulta!! Kkkkk, o mineirinho não deixou dúvidas!!

Agora era a vez da doula, conheci o trabalho da Cris a uns 3 anos através do blog e achei incrível!! Eu e uma amiga já dávamos alguns mergulhos no mundo humanizado mesmo antes de encomendar os babys.

Marcamos uma primeira conversa pra conhecer a Cris pessoalmente e nem precisamos voltar pra casa, já saímos de lá com contrato assinado. Sentimos muita paz e segurança no seu trabalho, e com certeza muito amor na profissão, isso nos deu certeza de que era a pessoa certa pra nos auxiliar no dia em que o Antônio viria ao mundo.

Daí pra frente foi aproveitar a gestação em cada descoberta, o dia que confirmamos que realmente era o nosso menino, nosso Antônio, os primeiros chutes na barriga, os soluços e enfim o barrigão das últimas semanas.

Tive uma gestação muito tranquila, bem ativa. Já tínhamos entrado na 38 semana e nenhum sintoma claro de estar chegando o dia, apenas algumas contrações muito fraquinhas e espaçadas, as famosas contracões de preparo.

Dia 3/02 fui consultar com o Pupim no Ilha, tudo certo com o Antônio, bem encaixadinho. Foi quando o Pupim me deu a notícia que nenhuma grávida quer, era bem possível que ele estaria viajando durante minha DPP.

É claro que na hora foi um banho de água fria, tudo que tínhamos planejado podia não acontecer, mas eu sabia que isso era uma possibilidade, ainda mais com profissionais humanizados.

Ele me acalmou dizendo que os GOs backups estariam disponíveis pra me atender no dia, caso eu quisesse, mas que também o Antônio podia vir antes ou depois de sua viagem!

Saí de lá mais tranquila e dalí em diante todos brincávamos com o Antônio na barriga ” filho você já pode vir, mamãe e papai estão te esperando, mas tem que ser até o dia 10 ou só depois do dia 16″ kkkkk.

E não é que ele escutou!!

Acordei na terça feira super beme vi que o tampão tinha saído, mas não dei muita bola, pois isso podia anteceder até 15 dias do parto.

Lembro que falei com a Cris sobre a consulta com o Pupim e perguntei qual o GO backup ela achava melhor pra fazer o chamado, já tava me preparando pra essa realidade.

O dia foi tranquilo e super corrido, estávamos finalizando obra em casa antes do baby chegar e eu estava nas arrumações dos cômodos. O marido chegou, jantamos e fomos dormir.

Quando deu 24:45 eu acordei com um barulho alto “PLOC” e uma dorzinha, levei alguns segundos para processar mas logo lembrei de alguns relatos de grávidas que escutaram a bolsa rompendo. Levantei e realmente saía um pouco de líquido, fiquei em dúvida se era a bolsa e fui pro banheiro pra ver.

Alí começaram as contrações, primeiro em intervalos de 5m, depois variavam em  5,4,3, foi quando acordei o marido pra me ajudar na contagem pois já não conseguia mais me concentrar.

As contrações continuavam nesse ritmo, pedi pro Saulo ligar pra Cris pra avisar, enquanto isso fui pro chiveiro. Alí, naquele momento, entrei completamente na partolândia, só conseguia pensar que logo o meu pequeno estaria em nossos braços, tinha certeza que ele havia escolhido, queria nascer, queria conhecer o papai e a mamãe!

A Cris pediu pra falar comigo e lembro que perguntou o nível de dor, eu disse 5.

Ela ficou de ligar pro Pupim e nos retornar, ligou dizendo que era para irmos pro Ilha pois eu era positivo em streptocócus e precisava começar a tomar antibiótico na veia.

Continuei no chuveiro enquanto o marido colocava as coisas no carro, detalhe que só a mala do Antônio estava pronta, as nossas coisas fomos arrumando rápido entre uma contração e outra.

Chegamos no Ilha por volta das 2:30, a Cris e o Pupim já estavam lá, fomos pra um quarto pois a sala de parto estava ocupada. Pupim me examinou e 3cm de dilatação.

No quarto fiquei alternando entre bola, chuveiro, camae algum tempo depois

( pessoal, digo algum tempo pois totalmente imersa na partolândia, já não tinha a mínima noção de tempo, a natureza é sábia neh!!mas foram horas), novo exame, e o Pupim me perguntou: Quanto você acha que tá? Eu disse: Já fico feliz com 5cm!!foi quando ele disse que já estava com 7 de dilatação.

Pura Alegria!!nosso tão planejado parto estava acontecendo e progredindo bem, só faltava a sala de parto liberar pra poder ir pra banheira!!

Enquanto isso, mais bola, chuveiro e chegou uma hora que a Cris falou pra caminharmos pela maternidade, assim fomos, na volta a feliz notícia, a sala de parto vagou!!!

Arrumamos as coisas e fomos, chegando lá novo exame e 9cm. Agora era entrar na banheira e relaxar, só que não kkkk

Já tinha amanhecido, a dor já estava intensa, contrações muito próximas, não dava muito pra descansar. Mas a banheira é tudo!!Minimiza muito a dor e o peso da barriga, ajudando a relaxar um pouco.

2

A Cris só me dizia, chama o seu filho pro mundo e era só o que eu pensava, que faltava muito pouco pra ter ele nos braços. Isso que dava um gás a mais, pois nesse momento eu já estava exausta, o cansaço era maior que a dor!

Mais exercicios na banheira, cadeira de cócoras e nada do Antônio chegar!! Eu realmente já estava esgotada, no fim só pensava que não ia mais ter forças pra quando fosse necessário fazer força.

Tamanho era o cansaço que eu acabava dormindo, deitada  no peito do meu marido, entre as contrações.

Nesse momento pedi pro Pupim pra fazer mais um exame, precisava de algum ânimo!! Saí da banheira, exame feito e Pupim me diz: “Dilatação total, colo fininho, o Antônio tá chegando”.

Isso foi um bálsamo naquela hora, mas esse “chegando” não foi tão “chegando” assim.

Voltamos pra banheira e dá-lhe contração!! Enfim a cabecinha coroou e eu pude sentir meu filho, isso me dáva força, vinha contração ele descia um pouquinho mas depois subia de novo!!

Então depois de duas horas em expulsivo, quase 11hs de TP, as 11:35 de uma linda manhã de quarta feira, o Antônio quiz conhecer o mundo!! Foi pescado pelo papai que o entregou em meus braços, um momento mágico!! Nós 3 abraçadinhos naquela banheira, agora sim relaxando e contemplando a perfeição da criação de Deus: nosso lindo meninão!!

3

Nosso Antônio nasceu com 3,210kg, 50cm, apgar 9/10, perfeitinho!!

Sim, conseguimos nosso tão sonhado parto humanizado, rodeado de afeto e respeito. Sim, eu consegui parir meu filho da maneira mais linda e natural possível, sem intervenções, sem analgesia, sem lacerações.

Com certeza tudo isso só foi possível pois estava rodeada de pessoas amadas e me sentia segura.

Primeiro agradeço meu lindo marido, que foi um guerreiro junto comigo, não me largou um minuto, incansável, não precisaram muitas palavras, apenas a presença e o carinho!

Não menos importante, os meus queridos Pupim e Cris, que com todo conhecimento e tranquilidade me conduziram a um lindo parto, um momento que nunca vou esquecer!

Essas foram as palavras do Pupim ao final de tudo: ” Faz muito tempo que não vejo uma grávida tão tranquila, conseguia rir com 9 de dilatação”. Realmente eu estava tranquila, me sentia segura e não podia acreditar que meu filho estava chegando e da forma como tínhamos planejado tanto tempo, na verdade muito além do que tínhamos sonhado, todo esse processo é surreal!!

Hoje, 2 meses depois, consigo entender o que amigas me diziam “você vai sentir saudade de parir”, confesso que achava um pouco demais, mas é a pura verdade. Já estou com aquela sensação nostálgica da saudade, saudade não da dor, é claro, mas daquele momento que você deixa de ser você, mergulha na partolândia, perde total os sentidos pois está completamente focada em trazer seu filho ao mundo, sem dizer da sensação única de ver o rostinho dele pela primeira vez!

Foi uma experiência transformadora, no dia 05/02/2014 nascemos todos, eu-mamãe, papai e Antônio!

1


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *