O primeiro filho que a minha mãe teve, foi aos 20 anos, mãe solteira. Minha irmã também foi mãe solteira, aos 27 anos, e eu fui por algum tempo. Engravidei da Sofia com 17 anos, na época namorava o Pai dela a 1 ano. Ela nasceu, fomos morar juntos, vivemos mais 1 ano e meio, e nos separamos. Depois de quase 1 ano, voltamos a namorar, namoramos mais um tempo e nos separamos. Ficamos mais 1 ano separados, e então, casamos. Relacionamentos não são fáceis, mas eles podem ficar bem complicados quando se tem um filho. Não que o novo membro da família venha para atrapalhar, mas nós amadurecemos muito, e percebemos que existem coisas mais importantes da vida, valorizamos mais algumas coisas, e o nosso mundo gira em torno da maternidade.

E, nesse lindo caminho, nem sempre os homens conseguem nos acompanhar. Mas a maternidade vem a maturidade, a experiência, descobertas e ficamos mais exigentes. Muitas mulheres se obrigam por diversos motivos a continuarem com seus companheiros, mesmo que em um relacionamento ruim, porque por algum motivo não querem seguir sozinhas…

Mas muitas mulheres acreditam que o melhor para o filho, é a felicidade da mãe, o bem estar da criança e que juntos essa duplinha pode tudo. Eu, concordo.
Já acompanhei mães solteiras, continuo acompanhando, e quero dizer a todas vocês para não desistirem. Se vocês acham que é melhor seguir em caminhos separados, não tenham vergonha, medo do que os outros vão falar, ninguém tem nada a ver com isso. Vocês vão conseguir dar conta, e decidir como será melhor de agora em diante.  Já dizia aquele ditado ” antes só, do que mal acompanhada..”

Para dica de leitura, fica o blog da minha irmã, que conta sobre a experiência de ser grávida solteira, o parto ( que foi prematuro) e a vida depois com o bebê. Vocês conseguem!!!!
http://maesolteirasejafeliz.blogspot.com/ 

Cris Doula!


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *