Foto do google

Quase toda gestante morre de medo só de pensar na dor do parto. Também quem não teria? O exemplos exagerados nas novelas e filmes assustam qualquer um. A desinformação e o medo geram ansiedade e logo a cesárea é marcada. Sim, o medo da dor do parto é uma das causas mais comuns para cesáreas eletivas.

Mas hoje em dia sabemos que não é bem assim. A dor do parto é resultado do medo e tensão que a mulher tem em relação ao parto. Uma parturiente que tem em mente que as contrações são naturais, que quanto mais frequentes e mais intensas elas ficam, mais perto está de conhecer o bebê, ela vai sentir as ondas das contrações e saber lidar com elas.

Além disso temos várias maneiras de driblar os desconfortos do trabalho de parto com maneiras NÃO-FARMACOLÓGICAS.
Como exemplo: aromaterapia, cromoterapia, massagem,vocalização, banho de imersão ou aspersão, musicaterapia, uso da bola suíça e posições diferentes durante o trabalho de parto.

É fundamental nesse momento o apoio físico e emocional e é aí que entra a Doula. Muitas mulheres hoje acham a presença da Doula fundamental, já que ela é treinada para lidar com todas essas fases do trabalho de parto. A Doula não substitui o acompanhante, mas as vezes o acompanhante fica tão nervoso com toda a situação,que acaba não sabendo como ajudar a parturiente.

E a Analgesia Peridural?

Algumas mulheres não conseguem suportar bem as contrações ou não sabem dos riscos que o procedimento oferece. São utilizados mais de uma medicação que são injetadas na coluna, ou em um espaço chamado peridural, ou diretamente no canal vertebral, ou em ambos. A parturiente deve ficar deitada de lado ou sentada e o procedimento de aplicação é rápido e pouco doloroso.

Atualmente são formas práticas, eficazes e relativamente seguras de dar a luz sem dor. Indubitavelmente, são os métodos mais eficazes para aliviar e até eliminar a dor. Quando a técnica utilizada é correta, o bloqueio motor é menor e permite mobilidade, participação da parturiente e puxos eficazes no período expulsivo.

No entanto, há evidências de que os bloqueios regionais aumentam o tempo do primeiro (período de dilatação) e do segundo estágios do parto (período expulsivo), a incidência de distócias de apresentação fetal (a cabecinha do bebê encaixa na bacia de forma errada), o uso de ocitocina e o número de partos instrumentais. Discute-se o fato da utilização da analgesia peridural estar associada a maiores taxas de partos por cesárea, sendo que alguns autores encontraram associação e outros não concordam com essa afirmação. Quando se utiliza a anestesia raquidiana, pode ocorrer dor de cabeça após. Complicações graves podem ocorrer, mas são extremamente raras.
Por esses motivos cada vez mais mulheres preferem um parto natural, sem medicações, inclusive para dor. É totalmente possível e uma doula com certeza vai ajudar.

Cristina Melo
Doula

 


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *