Qualquer procedimento de intervenção de saúde oferece riscos, por isso é importante conhecê-los de antemão para tomar uma decisão consciente na hora “h”. 

Hoje assistindo o jornal, comecei a prestar atenção quando falaram sobre cirurgia plástica, silicone, problemas com a marca e que a partir de agora, os médicos são obrigados a informar as pacientes dos riscos da cirurgia para aumento das mamas….

Só agora???

Médico explicando um procedimento à paciente

Muitas mulheres optam pela cesárea, nunca de maneira totalmente consciente, muitas vezes induzidas pela família, médicos e amigos.

E nenhuma delas sabe dos riscos que a cirurgia traz naquele momento e nem a longo prazo, e elas tem todo o direito de saber. É engraçado que quem começar a reparar, quando faz a internação numa maternidade, você assina vários papéis, e um deles é a autorização para que o médico intervenha caso ache necessário. Isso inclui quem planeja ter um parto natural, aquele papel autoriza o médico a fazer uma cesárea caso ele ache necessário… você assina o papel, mas nele não diz os riscos da cirurgia.

Claro que quando a cesárea é bem indicada os benefícios superam os riscos, mas no Brasil rola muito mais eletiva do que com necessidade.

Outra coisa é durante o trabalho de parto, alguém fala em ocitocina e a parturiente pergunta: ” Mas tem riscos?” Óbvio que tem, não vem falar que é super seguro que todo mundo usa todo dia- em- quase -todo -mundo, que não tem riscos. É lei da física que toda AÇÃO gera uma reação, então toda intervenção pode sim gerar uma reação negativa naquele parto.

Quem trabalha com parto sabe que não é raro estar tudo bem, e aí entra a ocitocina sintética e o batimento do bebê cai, vai para cesárea.

A parturiente com dor, mas o maior problema mesmo é o medo, e alguém oferece analgesia… e novamente ela pergunta se tem risco…. Dizer que NÃO tem risco, que não tem nenhuma chance do bebê ser afetado, é no mínimo errado.

Tem risco sim! Você pode perder a sensibilidade que atrapalha na hora de empurrar, pode causar efeitos colaterais como cefaleia, coceira no corpo, bradicardia fetal, e acabar numa cesárea!

Até mesmo romper a bolsa artificialmente pode trazer consequências ruins, então, se você é profissional da saúde que realiza partos, não minta para seu cliente. Diga que existe risco, a porcentagem, quais os riscos, deixe que essa pessoa escolha o que é melhor para ela, de maneira consciente.

E mulheres: Sejam as que vão fazer plástica ou que vão parir, pesquisem sobre os procedimentos antes. Se você planeja um parto natural, leia sobre o risco de intervenções, para que na hora H você não tenha dúvidas, e/ou não receba uma informação meia-boca.

Por Cristina de Melo
Originalmente publicado no site Guia do Bebê.

http://guiadobebe.uol.com.br/cristina-de-melo/ 


0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *