Dylan, tomando banho ainda ligado pelo cordão umbilical, nascido no dia 30/05/2012, na água com sua mãe e pai, através de um parto natural tranquilo, com respeito e amor.

 por Ana Paula Caldas (Neonatologista em Campinas/SP) 

Após 9 meses, aproximadamente 280 dias, 40 semanas ou 9 luas o bebê finalmente está pronto para nascer. O feto, completamente formado desde as 12 semanas, levou todo este tempo para crescer e amadurecer dentro do útero. No final da gravidez ele dá sinais que está maduro e inicia-se o trabalho de parto. Sua circulação é inundada de hormônios que sinalizam o nascimento iminente. As contrações uterinas massageiam o seu corpinho e dão a noção do ritmo. Finalmente, a passagem pelo estreito canal de parto comprime o tórax do bebê, auxiliando na saída do líquido amniótico presente em seus pulmões, boca e narinas. O bebê nasce, e enquanto permanece ligado à placenta pelo cordão umbilical que pulsa não há pressa em respirar. Nos braços da mãe, ele conhece o novo espaço, espirra, tosse e finalmente respira. Às vezes chora vigorosamente, às vezes apenas resmunga. Em alguns minutos, os pulmões expandem, a circulação fetal deixa de existir e a placenta não é mais necessária. O cordão umbilical para de pulsar e pode ser cortado. Enquanto isso, mãe e filho se reconhecem, trocam cheiros, o som do coração da mãe acalma o bebê, que lentamente começa a procurar o seio. Depois de mamar, o bebê adormece e descansa por um longo período, se recuperando dessa grande jornada.

A sequência descrita acima foi planejada pela natureza ao, longo de milhares de anos de evolução.Infelizmente, este processo fisiológico não é respeitado na maioria das maternidades brasileiras. Aproximadamente 40 % dos bebês da rede pública e 80% da rede privada nascem através de cesariana. Grande parte deste número – principalmente na rede privada- correspondem ‘as cesarianas eletivas (aquela marcada por conveniência do médico ou da mulher ). Nestes casos, o bebê não sabe que vai nascer. Não foi avisado pelo trabalho de parto, não recebeu os hormônios necessários, não sentiu o ritmo das contrações nem passou pelo canal de parto. Frequentemente estava dormindo no momento do nascimento. Tem que passar de feto a gente que respira em segundos. Seus pulmões, boca e nariz estão cheios de líquido amniótico. Só resta ao bebê aterrorizado a opção de chorar para expandir os pulmões e concluir à força o processo de transição.

A criança é levada a um berço aquecido, onde é vigorosamente enxugada. Geralmente o pediatra introduz uma sonda em sua boca e narinas para aspirar as secreções. A criança é pesada, medida, classificada e identificada. Rapidamente é apresentada à mãe, que não pode segurá-lo porque tem as mãos presas na mesa cirúrgica.

O bebê então é levado ao berçário, onde é colocado em um berço aquecido, observado pela família através de um vidro. Ali ele recebe um colírio de nitrato de prata, cujo objetivo é prevenir uma eventual conjuntivite pela bactéria causadora da gonorréia. É provável que suas pálpebras fiquem inchadas e doloridas em consequência do colírio. Ele recebe ainda uma injeção intramuscular de vitamina K, medicação usada para prevenir um distúrbio de coagulação.

Através do vidro do berçário observamos o recém nascido, sozinho no berço aquecido. A agressão sensorial foi tamanha que muitos dormem, exauridos. Outros choram e se debatem, observados pela família orgulhosa..

Algumas horas depois, o banho. O recém nascido é lavado com água morna, na banheira ou sob a torneira da pia. É preciso lavá-lo e remover qualquer vestígio de sangue ou vérnix. É necessário que ninguém perceba que o bebê nasceu de um útero, lugar cheio de mistérios. A criança é vestida e finalmente será amamentada.

A mãe recebe o pequeno estranho… que sequer viu nascer através dos panos estéreis da cirurgia. O pequeno estranho não tem seu cheiro, aliás cheira a algum produto químico. O pequeno estranho está sonolento, porque durante o período fisiológico de vigília estava no berçário. Depois de algum esforço, afinal consegue mamar. A natureza felizmente continua sábia e é através da amamentação que a mãe e o pequeno estranho vão enfim criar vínculos

Vamos acabar com essas rotinas desnecessárias, não adianta lutar apenas pelo parto humanizado, e sim em como receber o bebê da mesma forma.


4 comentários

Bárbara · 1 de junho de 2012 às 2:59

Seria ótimo se a Ana Paula (ou outro pediatra humanizado) pudesse escrever mais sobre quais procedimentos são adequados e quando. Em geral, na internet, há muitos documentos sobre parto e quando as intervenções podem ser necessárias/indicadas, ou quais são os benefícios e riscos de cada procedimento. Mas quase não há nada sobre o tratamento com os recém-nascidos. Imagino que em alguns casos a aspiração, por exemplo, seja necessária. E quais são os riscos de não pingar o tal colírio?
Bom, é só uma sugestão de tema…
abs

Cris Doula · 1 de junho de 2012 às 3:20

É verdade Bárbara, é difícil de achar sobre isso, mas pretendo escrever ainda essa semana com a opinião de alguns obstetras e pediatras.

Ysis Araújo · 2 de junho de 2012 às 19:48

Lindo! Quem dera se todas as nossas crianças pudesem nascer e crescer com tanto respeito…
Atenção sociedade temos que mudar se queremos um futuro melhor!

Juliana Rossi · 25 de junho de 2012 às 17:04

Justamente fico pensando,todos esses procedimentos são obrigatórios e necessários?Temos como decidir NÂO fazer isso em nossos filhos ao nascer????

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *