Desde que me tornei doula a 2 anos, eu gosto de estudar e ler sobre um evento cada vez mais comum no mundo, o parto desassistido. Em um workshop com o renomado obstetra Michel Odent no ano passado, esse assunto foi muito falado, inclusive uma das participantes havia feito dois partos desassistidos e contou sua experiência positiva, e alguns meses depois eu fiquei sabendo que uma das participantes grávida na época, optou por trazer sua filha ao mundo da mesma maneira.

Mas o que faz as mulheres e suas famílias decidirem ter seus filhos em casa sem assistência médica alguma? Logo hoje na era da cesárea rápida e prática, com medicamentos cada vez mais eficazes ( e fortes) para diminuir a dor do pós-parto, por quê tantas pessoas escolhem o caminho totalmente contrário?

Não, eu não incentivo partos desassistidos, mas consigo entender cada vez melhor os motivos para que eles aconteçam. Em uma pesquisa achei um texto fenomenal, sobre o mito dos partos serem mais seguros no hospital, e sobre o papel da equipe médica nesse processo.
Então na minha opinião, é assim que o parto deve ser, a mulher deve fazer o que sente vontade, da maneira que se sente melhor, no local que se sentem mais á vontade ( pode ser em casa ou no hospital), mas com uma equipe que a deixe parir sem interferir desnecessariamente. Ter uma parteira calma, tranquila que acredita do poder do corpo é fundamental. Ter um obstetra que apesar de tudo que aprendeu na faculdade, fique tranquilo apenas em observar essa mulher e seu corpo fazerem o que sabem naturalmente, também. Uma doula paciente e experiente e que passe essa confiança para a mulher e que saiba como e o quê sugerir ( e não determinar) o que ela pode fazer.
Em outro curso que fiz, desta vez com uma parteira chamada Naoli Vinaver, ela falava como ela atendia os partos. E falou sobre como o profissional presente deve sugerir algo, jamais mandar, determinar, sempre de forma muito sutil sugerir e somente se achar extremamente necessário. Como por exemplo: Se você quiser beber um pouco de água, vou deixar ali para você; Se você quiser ir ao banheiro pode ser uma boa idéia; Caso você tenha fome, me avise no que posso lhe ajudar…. e assim vai.

Devemos ser invisíveis e delicados, estar presente para a mulher, para que se ela sentir que precisa de você ela veja que você está ali, mas sem sufocar seu instinto natural de como e quando agir. É assim que o parto deve ser!!

Texto da Laura Shanley – Traduzido por Cristina De Melo

Um dos maiores mitos perpetuados pelo sistema médico é que o hospital é o lugar mais seguro para dar à luz. São inúmeras as histórias de mulheres que morrem durante o parto antes do advento dos hospitais modernos. E, no entanto, poucas pessoas percebem que as mulheres não estavam morrendo devido ao fato de que o parto é inerentemente perigoso, mas sim por causa das condições de vida naquela época. As mulheres pobres geralmente eram desnutridas e com excesso de trabalho durante a gravidez, enquanto mulheres ricas eram muitas vezes privadas de ar fresco e sol porque a pele marrom foi considerada socialmente inaceitável. Meninas ricas usavam corset a partir dos 11 anos, para que no momento em que tivessem 14, suas pélvis estivesse literalmente deformada. Esses fatores físicos, combinados com vários psicológicas (medo, vergonha e culpa), levaram para os problemas que algumas mulheres encontraram.

Ao longo da história, mulheres normais e saudáveis ​​raramente morreram no parto. Na verdade, quando o nascimento se mudou da casa para o hospital na década de 1920, a mortalidade infantil e materna, na verdade aumentou. Um grande estudo feito a partir de 1933 mostrou que os nascimentos hospitalares não eram tão seguros quanto os partos em casa. Estudos feitos nos últimos vinte anos, provam que isso ainda é o caso. (Mayer Eisenstein, MD, A vantagem de decidir em casa, 1988.)Quando uma mulher entra em trabalho de parto no hospital moderno, ela é cercada pelo pessoal médico e de máquinas. Muitas vezes ela não decide o que comer (geralmente nem come),  a posição para parir (geralmente deitada de costas, o que estreita a saída pélvica e a impede de utilizar a força natural da gravidade), e quando e como ela deve empurrar  ( o que interfere com seu próprio conhecimento instintivo de nascimento). Seu progresso está traçado e medido e ela é tratada mais como uma máquina do que um pensar, sentir, adulto inteligente.

Se seu trabalho não está progredindo na velocidade em que o hospital decidiu arbitrariamente que deveria ser, ela muitas vezes recebe drogas para acelerar as coisas. As drogas, no entanto, podem fazer suas contrações mais dolorosas, que por sua vez, podem levá-la a tomar mais medicamentos para lidar com a dor. Não só este medicamento pode impedi-la de participar plenamente no processo de nascimento, também atravessa a placenta, prejudicando o seu bebê. Às vezes o corpo de uma mulher simplesmente desliga depois de tanta intervenção , e a mulher  ouve que ela precisa de uma cesariana, para que seu bebê nasça com segurança.

Sem saber que a intervenção que recebeu realmente causou a ‘complicações’, em primeiro lugar, muitas vezes ela consente “para o bem do bebê.” Quase um em cada quatro bebês neste país são agora nascido por cesariana. Muitas mulheres que deram à luz no hospital, relatam insatisfação não só com a forma como eles foram tratados, mas com a maneira que seus bebês foram tratados assim. Os bebês são freqüentemente retirados de suas mães imediatamente após o nascimento para ser pesado, medido, testado e limpo. Colírio são administrados “só para garantir’’ caso a mãe tenha uma doença venérea, e vitamina K é administrada porque os bebês são supostamente nascido “deficientes”.

Quando uma mulher dá à luz em casa, ela está livre para comer o que ela quer, assumir qualquer posição que ela quer, e quando e como empurrar ou não empurrar, dependendo de como ela se sente. Quando ninguém está dizendo a ela o que fazer, ela é capaz de “sintonizar” e ouvir “a voz mansa e delicada dentro.” A mesma consciência amorosa que sabia como fazer crescer o seu bebê dentro dela perfeitamente, sabe como recuperá-la  de forma segura e fácil, se ela deixá-lo. Com ninguém gritando comandos para ela, uma mulher é livre para relaxar e, naturalmente, ter o nascimento de seu bebê. Após o nascimento, não há ninguém lá para separá-la de seu bebê. Ela pode armazenar e cuidar dele enquanto ela deseja. Mulheres de todo o mundo estão redescobrindo o fato de que o nascimento funciona melhor quando é interferido o mínimo possível. Ninguém, no entanto, independentemente da sua “experiência”, pode garantir que um bebê vai nascer com segurança. Alguns bebês morrem.
É simplesmente a maneira da natureza. Por Laura Shanley

 

 


1 comentário

Raquel · 4 de junho de 2012 às 13:21

oi Cris! Excelente texto, como sempre. Com o advento da medicina, fomos criados para entender, aceitar e não questionar o fato de que ninguém sabe nada, além do médico. O seu corpo, a sua dor, a sua vontade ficam em segundo plano. Primeiramente porque na sua frente tem um profissional que estudou anos para isso e deve saber mais que você. As vezes escuto que as mulheres de hoje estão fracas, são mais frescas, não resistem a nada. Escuto que antigamente a mulher tinha filho em casa, sem problemas. Mas aí me questiono como a mulher moderna vai acreditar que pode parir naturalmente se todo o sistema mostra o contrário? Quadril estreito? Cesárea! Criança grande? Cesárea! Cordão enrolado? Cesárea! 39 semanas de gestação? Cesárea! Strepto positiva? Cesárea, com certeza… Indução por 4 horas sem dilatar muito? Cesárea! Tem mais de 35 anos? Cesárea! E dá-lhe cesárea! Fácil, rápida.. é só marcar que não atrapalha o rendimento no consultório, ganha-se mais, a mãe pode escolher a data bonitinha pro filho nascer e pronto! Como uma mulher vai acreditar na sua força se são tantos argumentos contrários? Como não vai achar tudo muito complicado e perigoso quando mostram, provam e tentar convencê-la do contrário, o tempo todo? Hoje não se acredita mais que as coisas podem simplesmente acontecer. Não. São necessárias intervenções atrás de intervenções, eis o sistema. A voz da mulher perdeu a força, sumiu. Como parir naturalmente? Médicos dizem que isso trará futuros problemas sexuais. Vai ficar flácido, o parceiro vai deixar de sentir e por aí vai… A mulher tem inseguranças, tem a questão da amamentação tb, será que vou ter leite? E no meio de tantas coisas e por falta de informação e de acreditar em si, opta pela cesárea, que é o corriqueiro, o normal da era moderna. Acompanhei uma amiga, menos de 25 anos, gestação normal… na última consulta o médico foi taxativo: vá pra casa, não se esforce e descanse! O parto cesariana estava marcado para o outro dia e ela estava com dilatação e segundo o médico, se ela caminhasse ou se esforçasse, o bebê nasceria de parto normal, o que seria um horror pra eles! É isso, Cris. Você deve estar acostumada com situações semelhantes. Não acho que tudo esteja perdido, não. Existem profissionais e profissionais! Em todo lugar existem os bons e os não tão bons. Vejo na área médica muitos profissionais inseguros. Se chega um paciente que questiona, já é motivo de irritação. Muitos parecem temer o conhecimento! Um médico mesmo uma vez me disse o seguinte: se você se consultar com algum especialista que te receitar alguma coisa e quando questionado sobre como aquele medicamento funciona, enrolar e ficar incomodado pra responder, procure outro especialista! Se for a um consultório e experimentar falar algum termo mais técnico (só pra testar tá..) e ele se incomodar, saia, pois não estará na frente de um bom profissional. Procuro pensar sempre nisso mas pense, como fazer isso no sistema único de saúde? Como imaginar isso quando se demora séculos para conseguir uma consulta, um exame? É complicado. O sistema é complicado. E sair do sistema requer conhecimento, maturidade e coragem, muita coragem! Coragem para enfrentar o sistema médico que ganha força, que ganha respaldo familiar, que está aí há muito tempo e que tenta nos dizer para não questionar, pois é o melhor… dificil ficar fora do sistema, mas o que tenho lido me faz ver que não é impossível e que vale a pena! Obrigada Cris! Tenho acompanhado sempre o blog… tem ajudado muitooo!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *